As Esteiras Modulares Curvas são muito valorizadas por sua flexibilidade, especialmente na indústria de alimentos e bebidas. Utilizamos transportadores curvos para movimentação intralogística, principalmente de produtos acabados e/ou empacotados. Pensando nisso, preparamos este guia com dicas para você acertar na hora de usar esteiras modulares plásticas em curva.

 

Esteiras Modulares Curvas podem ser aplicadas ao longo de todo o transportador incluindo trechos retos e trechos curvos. As Esteiras Modulares padrão consistem em módulos unidos por varetas inseridas através de orifícios circulares ao longo das laterais dos módulos. Com as Esteiras Modulares Curvas, os orifícios dos módulos são oblongos, ou seja, o comprimento é maior que a largura. Isso permite que a vareta se mova fazendo com que o modulo não sofra danos à medida que o trecho curvo no transportador acontece. É por isso também que uma esteira modular curva tem a versatilidade de ser usada tanto ao longo de trechos retos quanto nas curvos.

 

Existem outras soluções para transportadores curvos como as correias de lona ou PVC mas elas não têm essa versatilidade e assim se faz necessário a secção dos trechos retos com os trechos curvos de forma separada ao longo do layout produtivo. Isso resulta em um maior número de transferências ao longo do processo de movimentação, o que pode afetar negativamente os produtos transportados.

 

Usar outras alternativas também pode ser uma solução mais cara porque requer mais motores e elementos de movimentação.

 

Calculando o raio e avaliando os trechos retos antes dos trechos curvos

Uma Esteira Modular deve ser capaz de realizar o raio para ela projetada e se ajustar a necessidade de trecho curvo de forma estável ao percorrer o transportador industrial. O lado interno da esteira - voltado para a curva – estará totalmente fechado enquanto a parte externa estará totalmente aberto. Para que isso funcione, você precisa conhecer o chamado fator de fadiga da sua esteira. Este é o fator pelo qual você deve multiplicar a largura da esteira para encontrar o raio interno correto da curva.

 

Um padrão comum é 2,2 - significando que, em tais casos, 2,2 x a largura da esteira é igual o raio interno da curva. No entanto, o valor 2,2 é compatível apenas com uma certa largura de correia. Abaixo desta largura, o fator de fadiga geralmente fica menor.

 

A série 325 da COBRA Correntes possui larguras que podem ser usadas com raio de até 1,7, porém o indicado é utilizar raio de 1,9 para esta série.

 

Na imagem abaixo é possível ver um resumo das principais considerações antes de projetar e considerar uma esteira modular curva em um layout industrial, pois, além da atenção ao raio, é preciso levar em consideração os trechos retos antes do início do trecho curvo.

Veja a imagem.

 

Leve em consideração a distribuição de carga para minimizar o desgaste da Esteira Curva

Uma Esteira Curva pode suportar cargas pesadas. Muitas vezes, a seção da borda é projetada para lidar com altas forças em uma curva. No entanto, a força que uma esteira modular curva pode suportar em seção reta é maior, uma vez que a carga é distribuída uniformemente pela esteira. Por isso, a recomendação geral é ter a curva próxima à entrada da esteira e não no final. Isso vai provocar menor força na seção do raio. Além disso é recomendado a utilização de Poliacetal (POM) para esteiras modulares curvas e quando for necessário a utilização de produtos químicos nesta esteira, a COBRA Correntes possui a opção de injetar as esteiras modulares curvas em Poliacetal não-reagente que não irá agredir o polímero e irá garantir uma ótima carga de trabalho.

 

Atenção! Se a combinação de velocidade e pressão ficar muito alta, o plástico corre o risco de derreter viso que normalmente as esteiras modulares curvas são guiadas em perfis plásticos. Os especialistas da COBRA estão prontos para dar apoio técnico especializado, em caso de aplicações críticas (alta velocidade e força). Para saber mais, clique aqui.

 

Mais vantagens

O uso de uma esteira modular como curva facilita o reparo. Um módulo quebrado ou desgastado pode ser facilmente substituído por um novo, e a esteira pode estar pronta e funcionando novamente em poucos minutos. Por outro lado, outros modelos como lona ou PVC quando danificada pode ter que ser substituída por completo. E isso é caro e demorado. E as varetas que unem os módulos, quando quebradas, podem ser facilmente substituídas.

 

Como as esteiras curvas modulares precisam ser capazes de expandir e retrair, elas acabam tendo sua superfície aberta e assim podem servir como passagem de ar ou líquidos e realizando troca de calor se for o caso.

 

Expertise em Movimentação de Produtos

Desde 1986, a COBRA Correntes desenvolve tecnologia própria e foca no desenvolvimento de soluções para movimentação em intralogística com a fabricação de correntes inox, correntes plásticas e esteiras modulares. A empresa também possui uma linha completa de componentes e acessórios para esteiras industriais.

 

Nossa matéria-prima tem certificação específica para contato direto com alimentos dos seguintes órgãos: Selo FDA – Food and Drug Administration, ANVISA e Instituto Adolfo Lutz.