Dentro das fábricas e indústrias, os gestores estão constantemente procurando novas práticas de fazer mais com menos. É fácil entender de onde vem essa movimentação, especialmente em um mercado que exige constante evolução das empresas que desejam se manter ativas.

 

Com isso em mente, também é fácil entender porque muitos optam por ter uma esteira transportadora em seus projetos. Isso acontece especialmente dentro das fábricas e armazéns, em que os produtos transportados em seu interior passam por várias etapas e processos até chegarem no consumidor final.

 

Agora imagine se os colaboradores tivessem que fazer esse trabalho de transporte interno de forma manual. Além de colocar a saúde deles em risco, isso demandaria muita mão de obra e um retorno demorado, impactando todo o fluxo de produção. Por isso, os gestores passaram a avaliar o custo benefício de um transportador industrial nos projetos — elas ajudam a movimentar muitos tipos de cargas, o que a faz utilizável em ramos de atividade distintos.

 

Para ajudar nesta tomada de decisão, a COBRA Correntes montou um checklist de como fazer essa avaliação. A seguir, você encontra explicações sobre quais atributos devem ser levados em consideração, quando optar pela corrente metálica em vez da plástica e muito mais.

 

Confira!

 

Atributos a serem considerados antes de optar por uma Esteira Transportadora

Antes de tudo, os gestores das fábricas e indústrias precisam saber qual é a aplicação de uma corrente e/ou esteira modular. Elas são feitas com módulos e pinos de plástico com diferentes características e propriedades, para assim atender diversos projetos.

 

Suas aplicações incluem:

  1. Transportadores retos, curvos ou de acúmulo;
  2. Transportadores para transferência;
  3. Transportadores para elevação de produtos;
  4. Túneis de resfriamento;
  5. Equipamentos para esterilização e congelamento;
  6. Transportadores para desossa;
  7. Transportadores para movimentação em geral.

 

Esse tipo de Esteiras e Corrente transportadora apresenta baixo peso, alta performance, instalação simplificada e algumas séries possuem fácil limpeza.  Outras vantagens incluem a transferência de topo, excelente planicidade, elevada resistência à tração e baixo desgaste.

 

Além disso, a carga de trabalho da corrente ou esteira modular precisa ser considerada no custo-benefício para o projeto. Os valores de carga máxima de trabalho por metro de largura não podem exceder os limites recomendados para não danificar ou até mesmo quebrar e causar paradas na produção desnecessárias.

 

A relação completa pode ser conferida na versão eletrônica do Catálogo de Produtos da COBRA Correntes. Clique aqui para conferir.

 

Diferentes projetos, diferentes elementos de movimentação?

A seleção dos elementos de movimentação do equipamento de movimentação como as esteiras modulares, correntes plataforma e seus componentes como mancais, guias laterais, tipo de sustentação e etc, varia de acordo com o layout do equipamento — ou seja, se eles serão transportadores curvos ou retos. Porém, a forma de construção vai depender da aplicação e das adaptações necessárias, que podem variar em função do layout fabril ou da maneira como o equipamento é utilizado.

 

Geralmente, a melhor indicação para transportes inclinados envolvem acessórios como taliscas, aletas e módulos emborrachados. Esses tornam viável a elevação dos produtos, possibilitando o deslocamento interno dos mesmos.

 

Enquanto isso, outras esteiras modulares apresentam passo reduzido ou permitem o uso de pentes de transferência. Seja qual for o modelo escolhido, ambos têm o mesmo propósito: facilitar a transferência dos itens. Além disso quando existe a necessidade de utilizar esteiras com passas maiores é possível utilizar transferências roletadas para auxiliar na transição de um equipamento para outro.

 

Outra dúvida bastante comum é saber em quais situações a corrente metálica é mais indicada do que a plástica. De modo geral, as metálicas são mais utilizadas para transportar embalagens feitas de vidro, peças de metal e produtos extremamente abrasivos. Logo, esse tipo de corrente transportadora está relacionado a maiores cargas e temperaturas de trabalho.

 

Por outro lado, as correntes ou esteiras feitas em plástico foram projetadas para aplicações em transportadores retos, curvos, de acúmulo, de frenagem ou aceleração em que o peso e temperatura não são tão elevados. Dessa forma, são ideais para transportadores industriais, automatização de processos produtivos nas indústrias de bebidas e alimento, e para a movimentação de produtos na indústria em geral.

 

Checklist de perguntas que devem ser feitas antes de escolher a esteira transportadora ideal para o seu projeto

Na hora de conversar com o fornecedor de movimentação intralogística, o gestor deve se fazer alguns questionamentos para avaliar se as esteiras transportadoras industriais oferecidas se encaixam no projeto.

 

O primeiro deles é em relação ao tipo de produto a ser transportado, que vai impactar na escolha por uma esteira modular. Como o próprio nome já diz, ela permite uma modularização em seu tamanho, cor e incremento de acessórios ou por uma corrente plataforma que já possui suas características estandardizadas. Também é importante levar em consideração o material, bem como as propriedades mecânicas. Pergunte ao fornecedor se há resistência química das mesmas em relação ao produto que irá ser transportado, condições abrasivas do ambiente e temperatura.

 

Como a COBRA Correntes pode te ajudar nessa jornada

Em 1986, a COBRA Correntes foi criada para fornecer correntes brasileiras e assim suprir um segmento do mercado que era atendido apenas por fornecedores estrangeiros. Desde então, a empresa brasileira investiu em tecnologias focadas no desenvolvimento de produtos voltados para a movimentação em intralogística, e todos os elementos necessários para a construção de esteiras transportadoras industriais.

 

É desse movimento que surgiu a esteira modular série 254, que chama a atenção pela sua versatilidade e capacidade de adequação a projetos distintos. Sua modulação simplificada, permite o transporte de elevadas cargas de trabalho e entre suas funcionalidades possui excelente drenagem. Outro ponto de destaque é sua fácil instalação e manutenção, bem como seu vasto range de matérias primas e cores.

 

A esteira modular série 254 também permite o uso de acessórios como talisca, módulo emborrachado e aletas — tornando esse produto um verdadeiro coringa dentro das fábricas.

 

Com essas dicas, temos certeza que você saberá como avaliar o custo-benefício de uma corrente transportadora nos próximos projetos! E se houver alguma dúvida, não deixe de contatar a COBRA Correntes. Nossos consultores estão prontos para responder todas as suas perguntas e oferecer as soluções que melhor se encaixam nas suas necessidades!